Lei proíbe guarda de bigode retorcido e pintura no cabelo em Araraquara

Lei proíbe guarda de bigode retorcido e pintura no cabelo em Araraquara

Compartilhar

Uma lei, aprovada recentemente pela Câmara Municipal de Araraquara estabelece, entre outras questões, que os guardas civis municipais de Araraquara não podem usar barba, cavanhaque e costeletas. Bigode pode, “desde que não seja retorcido ou exagerado”.

Já as guardas do sexo feminino podem usar brincos “do modelo ‘bolinha de ouro’ de até 8 milímetros de diâmetro”, mas não podem pintar o cabelo. Ambos devem respeito a “autoridades” eclesiásticas, sob pena de advertência, suspensão e até demissão do serviço público.

Essas regras constam da nova Lei da Guarda Civil Municipal de Araraquara, aprovada por unanimidade pelo Poder Legislativo. O texto trata das atribuições e normas da corporação. Um trecho, especificamente o Artigo 21, que trata da “apresentação pessoal dos guardas Civis Municipais”, tornou-se alvo de questionamento por parte de representantes da corporação e do Sindicato dos Servidores Municipais de Araraquara e Região (SISMAR).

No parágrafo 1º, a lei afirma que “para os guardas civis municipais do sexo masculino, o corte de cabelo deverá ser aparado baixo, sendo o `pé` reto com as bordas arredondadas ou disfarçado e a costeleta com, no máximo, 2 (dois) centímetros abaixo da interseção da orelha, sendo vedado topete alto”.

Segundo informações, o próprio departamento jurídico da Prefeitura de Araraquara, em parecer a respeito do uso de barba por um Guarda, recomendou o diálogo com a categoria e com o Sindicato, indicando claramente a dificuldade de se colocar tais regramentos em Lei para civis. “A restrição, de cunho estético, não seguiria outro caminho, senão ao do Preconceito”, diz trecho do parecer.

Segundo o sindicato, tecnicamente, os servidores municipais de Araraquara, inclusive os Guardas Civis Municipais (GCM’s), como o próprio nome diz, são civis, com contrato regido pela CLT, e não militares regidos por estatuto. “Não é preciso ser especialista para perceber que as normas são ilegais, que elas interferem na liberdade individual dos servidores municipais. Afinal, o uso de barba ou de cabelo pintado não atrapalham o trabalho dos GCM’s.”, diz o sindicato.

Eliedson Manoel da Silva, GCM desde 2010, usa barba há dois anos e também contesta a nova lei. “É direito meu, meu corpo. Não sou militar. Minha estética facial não compromete minha capacidade de trabalho nem interfere nas minhas atividades de trabalho”, explica o GCM.

O SISMAR vai denunciar o fato ao Ministério Público do Trabalho por considerar que tais exigências se caracterizam assédio moral.

O caso também será levado novamente à Câmara Municipal de Araraquara. O GCM Eliedson Manoel da Silva utilizará a Tribuna Popular da Câmara para exigir explicações sobre a lei. “Esse tipo de atitude é uma prática de discriminação e preconceito, como se minha barba representasse uma atitude de desleixo ou uma personalidade delinquente”, reclama o GCM.

Portal Morada

Compartilhar